EMPRESA CANADENSE DE MACONHA MEDICINAL TERÁ PRODUÇÃO NA EUROPA EM 2019



EMPRESA CANADENSE DE MACONHA MEDICINAL TERÁ PRODUÇÃO NA EUROPA EM 2019

EMPRESA CANADENSE DE MACONHA MEDICINAL TERÁ PRODUÇÃO NA EUROPA EM 2019
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Há pouco tempo o Canadá tornou-se o primeiro país do mundo a liberar o uso do consumo de maconha medicinal e recreativo em todo o território nacional. Não à toa a Tilray, uma das mais bem sucedidas empresas do ramo, foi fundada naquele país. E o CEO da companhia, Brendan Kennedy, aspira aumentar ainda mais seus negócios: ele anunciou durante a Web Summit que passará a exportar produtos de Portugal para a Europa a partir de 2019.

"Já exportamos para outros países e temos um ponto de distribuição em Lisboa", diz ele. "Vamos começar a produzir na Europa. Por enquanto a gente importa apenas para seis países na União Europeia, mas está bem claro pra mim que mais e mais países vão entrar no mercado da maconha medicinal."

Kennedy se apoia em acontecimentos recentes para sustentar seu ponto de vista. Além da legalização em países como o Uruguai ou o próprio Canadá, mais e mais estados norte-americanos tem aberto sua legislação para o consumo da cannabis.

Ele ainda afirma que a indústria médica tem ampliado suas pesquisas sobre as propriedades da planta. Soma-se isso o interesse de outros setores, como a indústria do tabaco e das bebidas.

Empresas alimentícias, explica ele, podem estar no futuro do consumo de maconha. Produtos diferentes com ações diferentes estarão disponíveis no mercado. "Haverá produtos que se consome na sexta à noite pra sair e produtos que se consome no domingo pra dormir", diz. "Vamos ter remédios diferentes também, para epilepsia ou quimioterapia"

Para o CEO, os investimentos no setor também só tendem a crescer. "Se você estiver buscando um crescimento financeiro, faça um investimento na indústria do cannabis", diz. "Eu não vejo outra indústria com tanta potencial". A própria Tilray é avaliada por investidores em quase US$ 5 bilhões.

Fonte: Época Negócios