STARTUPS DA INDÚSTRIA DA CANNABIS



STARTUPS DA INDÚSTRIA DA CANNABIS

STARTUPS DA INDÚSTRIA DA CANNABIS
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
Estas são algumas das invenções de um conjunto cada vez mais sofisticado de startups de cannabis, elas podem tornar a cannabis conveniente e onipresente , a droga do futuro e a próxima grande bonança americana.

As ruas de São Francisco sempre cheiravam cannabis. No entanto, vale a pena notar que esse cheiro parece ter diminuido na cidade após o ano novo , depois que o uso recreativo da cannabis tornou-se legal na Califórnia sob uma lei aprovada pelos eleitores em 2016.

Obviamente é porque ninguém fuma mais a maconha. Todos estão vaporizando. Ou comendo, bebendo, dabbing, chupando pastilhas, mastigando chicletes ou administrando uma gota ou duas de tintura de cannabis sob a língua, onde é absorvida na artéria sublingual e em poucos minutos produzindo um invisível, Inodoro e privativo efeito.

Estas são algumas das invenções de um conjunto cada vez mais sofisticado de startups de cannabis, elas podem tornar a cannabis conveniente e onipresente , a droga do futuro e a próxima grande bonança americana.

Oito estados e o Distrito de Columbia legalizaram a cannabiss para uso recreativo, sendo legal para uso medicinal em 29 estados. A droga continua ilegal de acordo com a lei federal, e o Departamento de Justiça sinalizou uma repressão ao negócio. No entanto, o crescimento da indústria legal de cannabis continua a bater as maiores expectativas dos impulsionadores; Os clientes na América do Norte gastarão mais de U$ 10 bilhões em cannabis legal em 2018 e quase U$ 23 bilhões em 2021, projeções da ArcView Group, uma empresa de pesquisa e investimento focada em cannabis.

Esse crescimento é conduzido por idéias simples , dizem as startups da indústria.

Para diminuir o consumo da cannabis fumada e sua parafernália, os novos métodos de consumo especialmente os vaporizadores portáteis , estão transformando a imagem e a utilidade da cannabis , ajudando a conquistar o público em geral. No novo mercado em expansão, a droga dos preguiçosos está sendo reposicionada por start-ups como a droga do "bem-estar". É uma cura para uma sociedade ansiosa e tecnológica , uma pomada para todas as doenças, um bálsamo para todo humor , todos entregues à sua porta.

"Este pode ser o desafio da cannabis, mas também a oportunidade .Há milhares de combinações possíveis", disse Troy Dayton, o executivo-chefe da ArcView. Ele apontou para os problemas muito diferentes que as empresas de cannabis pretendem tratar, desde a ansiedade, insônia e dor até problemas com a libido e a criatividade. "É apenas o sonho de qualquer comerciante".

O crescimento da Eaze, uma start-up de entrega de cannabis , operando na Bay Area e San Diego, mostra as tendências que moldam a crescente indústria. Quando a Eaze começou em 2014, a "flor" de cannabis constituiu 85% das vendas. Agora, a flor é inferior a um terço das vendas. Em 2017, a flor foi usurpada por cartuchos de óleo tipo de cigarros eletrônicos, eles usam um elemento eletrônico para aquecer um óleo inflado de cannabis. Como não queima material orgânico, a cannabis é considerada mais segura do que fumar, assim como a nicotina é mais segura do que fumar cigarros.

"Para muitos usuários novos, o conceito de fumar simplesmente não é saudável ", disse Jim Patterson, executivo-chefe da Eaze.

Mas vaporizadores tem outras vantagens do que fumar. Produz menos odor, não precisa de nenhuma engrenagem, portátil e muito fácil de usar pressionando um botão e inspirando.Os cartuchos podem incluir sabores e misturas de diferentes compostos de cannabis para produzir efeitos mais fortes ou mais fracos, os vaporizadores podem ser de marca e comercializados em dezenas de nichos de clientes.

A Eaze que oferecia apenas vendas medicinais até este ano, e agora vende cannabis para uso recreativo e médico , disse que suas vendas cresceram 300% em 2017. (Não foi divulgado em valores monetários). No final do ano passado fazia mais de 120 mil entregas por mês. As mulheres representaram 35% de sua base de clientes , em comparação com 25% em 2015. E o grupo de idade com crescimento mais rápido foi o baby boomers. Se antecipando a legalização total, Eaze investiu em marketing na Bay Area, com outdoors apresentando cannabis como terapia para várias doenças específicas: “Olá Cannabis, adeus ansiedade" e “Olá Cannabis, adeus insônia". Os pedidos aumentaram três vezes desde o início do ano. A empresa que arrecadou cerca de U$ 52 milhões de investidores, recusou-se a divulgar seu números.

Outra startup, a Cura Cannabis Solutions, uma empresa de Oregon que produz cartuchos de vaporização, registrou crescimento também robusto. Em dezembro de 2016, as vendas da Cura foram de U$ 2 milhões; Um ano depois, a receita cresceu para U$ 7 milhões por mês , mas Nitin Khanna, co-fundador e executivo-chefe da Cura afirmou "Atualmente,estamos arrecadando dinheiro com um valuation de U$ 400 milhões".

Vienge Azer, analista que estuda os mercados de álcool e cannabis da empresa de serviços financeiros Cowen, disse que o crescente apelo da cannabis faz parte de uma tendência cultural de longo prazo . Durante a última década, a percepção social da cannabis melhorou rapidamente, até o ponto em que seu crescimento agora representa uma ameaça plausível para o negócio do álcool. "Vejo álcool e cannabis como substitutos no mercado", disse Azer. Ela apontou que, desde 2008, houve um declínio acentuado no número de jovens de 18 a 25 anos que relataram consumir álcool no ano que passou , mas um aumento acentuado no número que disseram que consumiram cannabis. A tendência é impulsionado por uma mudança na percepção de risco. Os jovens costumavam pensar que fumar cannabis era mais arriscado do que o álcool, mas na última década, essa idéia foi mudada. "Cada vez mais, os jovens vêem o álcool mais prejudicial que a cannabis", disse Azer. Em uma nota aos investidores no ano passado, ela apontou que o uso de cannabis estava ganhando aceitação entre todas as idades, etnias e grupos de renda. A legalização também tende a diminuir o preço da cannabis, aumentando ainda mais sua atratividade. No resultado de seu relatório: os jovens de hoje estão na vanguarda. A cannabis poderia estar a caminho de se tornar a droga de escolha para a América do futuro.

FONTE : https://www.nytimes.com/2018/01/24/technology/marijuana-start-ups-go-beyond-the-simple-joint.html?mc_cid=926272db78&mc_eid=4a5a10fdd5