A Major League Baseball (MLB) anunciou mudanças na lista de substâncias proibidas, e a cannabis deixou de ser considerada doping.

A partir do agora, os jogadores vão ser testados por opioides e cocaína, mas a cannabis foi tirada das drogas abusivas e será tratada igual ao álcool.

No entanto, a MLB deixou claro que todos os jogadores que forem flagrados com opioides ou cocaína só serão punidos se não cooperarem com os planos de tratamento. Já no caso da maconha, os casos de jogadores envolvidos com a droga serão encaminhados para avaliação obrigatória e tratamento voluntário assim como no caso de álcool.

A mudança acontece depois da morte de Tyler Skaggs, do Los Angeles Angels, que aconteceu em julho. A necropsia apontou que o atleta faleceu após se engasgar com o próprio vômito, que tinha uma mistura de álcool e dois opioides.

“Jogadores do nosso lado da equação reconhecem que houve uma oportunidade de assumir um papel de liderança aqui nesta discussão. Não havia necessariamente de fazer um censo tanto quanto havia um papel de liderança na conversa”, disse o chefe do sindicato, Tony Clark.

O gerente geral do Angels, Billy Eppler, agradeceu pelas mudanças que vão acontecer agora para evitar que outro atleta morra em consequência desses problemas com drogas.

“Sou apenas grato pelo sindicato dos jogadores e a MLB terem conseguido resolver um problema sério em nosso país que não tem fronteiras e cruza os limites do esporte. Isso mostra muito toque humano nos poderes que existem, e sou grato por isso”, disse.

Até agora, jogadores de grandes ligas que foram encaminhados à diretoria e não cumpriram seu plano de tratamento para uso ou porte de maconha, haxixe ou THC sintético estavam sujeitos a multas de até US$ 35.000 por violação. No futuro, as condutas relacionadas à maconha serão tratadas da mesma forma que as questões relacionadas ao álcool, e os jogadores geralmente serão encaminhados para avaliação obrigatória e tratamento voluntário.

Jogadores e funcionários da equipe terão que participar de programas educacionais obrigatórios em 2020 e 2021 sobre os perigos dos analgésicos opioides e abordagens práticas da maconha.

Movimentos de alguns estados para legalizar o uso de maconha foram considerados na mudança.

“Foi parte de uma conversa maior que refletia as atitudes que mudavam em muitas partes do país”, disse Clark.
Jogadores sujeitos ao programa de testes da liga menor, que não estão na lista de 40 jogadores e não são cobertos pelo sindicato, foram suspensos até agora para um segundo ou subsequente teste positivo de maconha. Halem disse que os programas das grandes ligas e das ligas menores tratarão o uso da maconha da mesma maneira daqui para frente.

“O programa da liga menor obviamente afeta vários de nossos membros da AP todos os anos porque temos vários caras que assinam contratos na liga principal e acabam sendo removidos da lista de 40 jogadores ao longo do ano”, disse Clark. “Então isso foi algo que, novamente, como parte da discussão para a comunidade abrangente de jogadores de beisebol, era importante”.