O cânhamo tem múltiplos usos e pode ser matéria prima para mais de 25 mil produtos. É tão bom que parece mentira, mas não é. Essa afirmação é verdadeira e aqui no nosso blog você pode encontrar muitos exemplos desses usos, como bioplástico, biocombustível, hempcrete, alimentos, medicamentos e tantos outros.

Porém, nem tudo o que se diz sobre esta variação tão versátil da cannabis é real. Há muita mentira na internet em relação à planta – são informações divulgadas sem conhecimento e carregadas de preconceito. Neste texto vamos derrubar cinco mitos sobre o cânhamo.

Cânhamo e maconha são a mesma coisa

Provavelmente este é o mito mais disseminado sobre o cânhamo. A planta do cânhamo é uma espécie da família cannabaceae, da espécie cannabis sativa, a mesma daquela utilizada para produzir a maconha, contudo, são de subespécies diferentes e geneticamente distintas. O cânhamo é cannabis sativa L. subsp. sativa var. sativa e a maconha é sativa subsp. indica. 

Na prática, a principal diferença entre ambas é a quantidade de tetrahidrocanabinol (THC) – o principal composto psicoativo da cannabis – presente em sua composição. Enquanto o cânhamo tem teores baixos de THC – em geral, inferiores à 0,3% – , a planta usada para produzir maconha tem níveis elevados do composto, que beiram os 30%.

A situação com a cannabis é muito parecida com outras culturas usadas pela humanidade. Por exemplo, existem variedades de milho boas para comer e outras que são indigestas, porém ótimas para a produção de biocombustível.

O cânhamo e a maconha também têm diferenças em suas aparências. Enquanto o primeiro cresce a uma altura de dois a quatro metros, a segunda tem baixa estatura e é mais encorpada, com muitas flores.

Cânhamo é a planta macho da maconha

Assim como em todos os tipos de cannabis, as plantas de cânhamo podem ser macho, fêmea ou hermafrodita. Além disso, como já explicamos acima, elas são de subespécies diferentes.

É possível plantar maconha “escondida” em lavouras de cânhamo

Nem tente. Plantar as duas variações da cannabis no mesmo local causaria uma polinização cruzada, que por sua vez resultaria em uma redução dos níveis de THC das plantas de maconha.

A forma de plantio das duas subespécies também é bastante diferente. No cultivo do cânhamo as plantas crescem bem próximas umas das outras, com quatro a cinco polegadas de distância,  enquanto a maconha precisa de mais espaço.

Cânhamo: mitos e fatos

Comidas à base de cânhamo podem acusar positivo em testes toxicológicos

Os testes toxicológicos buscam a presença do THC no organismo, portanto, como o cânhamo tem teores baixíssimos do composto, não há como ter quantidades suficientes para positivar.

O cânhamo pode ser usado como droga recreativa

De novo, como o cânhamo tem teores de THC em geral abaixo de 0,3%, ele não tem os efeitos psicoativos procurados por quem faz uso recreacional da cannabis. 

Cânhamo: mitos e fatos, é preciso mais informação!

Pesquise sempre em fontes confiáveis e não se deixe enganar por informações falsas e sem base científica. O cânhamo é uma planta capaz de trazer muitos benefícios para a humanidade e dezenas de países já se deram conta disso. Aproveitar o grande e variado potencial do cânhamo é uma decisão sábia e lucrativa. Trabalhamos para que logo o Brasil se junte ao grupo daqueles que sabem dos fatos e se favorecem deles!

Quer saber mais?

Entendemos que esse assunto é complexo e não pretendemos esgotá-lo em um post. Para saber mais,  acesse o nosso artigo: A Prosperidade do Cânhamo Industrial

Vem ai: Cannabis Thinking 2021! Evento presencial.