A extração da cannabis é um processo muito antigo, utilizado para conseguir retirar da planta substâncias que podem ser utilizadas para diversas circunstâncias. Canabinoides, terpenos e flavonoides, por exemplo, são os responsáveis pelo sabor, odor e por inúmeras ações medicinais no corpo humano. Como resultado, o produto é muito mais potente que a planta da cannabis em sua forma natural. É possível utilizar apenas os compostos desejados para objetivos específicos e de forma concentrada.

Os métodos utilizados para extração também podem variar de acordo com seus objetivos. Você está planejando extrair óleo de cânhamo ou de outra espécie da planta? Qual é o seu interesse final? Vaping, gastronomia ou concentrado? Você precisa de alta pureza na extração ou vai realizar uma destilação fracionada? 

Estes são alguns pontos que devem ser questionados antes de tomar a decisão da extração da cannabis, entenda o porquê:

Extração sem solventes:

Como o próprio nome diz, nenhum solvente químico é utilizado no processo. Então, tudo o que você precisa é água, calor, pressão e uma peneira.

Extração com solventes:

Com a alta demanda por produtos canábicos, a tecnologia para extração de concentrados se torna cada vez mais sofisticada e os produtores vão encontrando novas formas de extrair o melhor da cannabis.

Métodos utilizados para extração da cannabis

Rosino método da resina não precisa de solvente. O processo é parecido com o da extração do azeite, em que a matéria prima é prensada. Dela escorre uma resina, espécie de óleo concentrado.

Óleo – é o mais usado e antigo dos métodos. As flores são colocadas em um óleo. A matéria-prima aos poucos solta seus componentes solúveis como em uma infusão típica da gastronomia. 

ButanoO butano é um método popular para extrair as substâncias da cannabis, ma um dos métodos mais perigosos também por ser um material altamente inflamável e explosivo. Ele é um solvente eficaz quando colocado na matéria-prima seca e moída. Pela alta volatilidade, basta um pouco de calor, que ele evapora da resina resultante. 

CO2– o processo parece com a extração à base de álcool. O dióxido de carbono (CO2), por ser considerado mais seguro, se tornou o solvente muito defendido entre os extratores da comunidade de cannabis. No entanto, o método possui alto custo. 

ÁlcoolUma das formas mais antigas e mais utilizadas de extração envolve o uso de etanol. Feito com álcool isopropílico, substância usada na indústria de alimentos, as flores são colocadas dentro dele em um processo de saturação e o extrato é filtrado. Para a retirada do álcool, ele ainda passa por uma destilação.

Quer entrar para o time de startups aceleradas pela The Green Hub?

Em parceria com a Merck, abrimos um processo de chamada de startups em que os selecionados poderão acessar diversos benefícios. Nós estamos em busca de projetos criativos para desafiar o mercado brasileiro de cannabis ao nosso lado.

Já tem uma ideia? Conta aqui pra gente, a inscrição é simples e não possui custos!

Vem ai: Cannabis Thinking 2021! Evento presencial.