Por mais que os avanços em relação ao uso diverso da cannabis caminhem lentamente no Brasil, as aplicações da planta no mundo não se restringem apenas à área da saúde. Ela também é usada na produção de uma grande variedade de produtos, incluindo papel, tecido, alimentos e suplementos, combustível, plástico e cosméticos. Até a construção civil se beneficiou da versatilidade da planta: as fibras do cânhamo criam um concreto que oferece uma alternativa mais sustentável e tão efetiva quanto o tradicional.

Do ponto de vista ambiental, a substituição de alguns materiais pelo cânhamo é muito conveniente. Um número crescente de evidências sugere que as raízes do cânhamo podem remover toxinas do solo e da água melhor do que muitas outras espécies de plantas.

Na construção civil, enquanto o concreto tradicional tem chamado atenção de ambientalistas pelo agressivo processo de fabricação, que libera quantidades significativas de carbono na atmosfera, o substituto derivado do cânhamo, conhecido como Hempcrete, se destaca por promover uma ação oposta. Além de não passar por processos tóxicos em sua fabricação, o material absorve carbono e, inclusive, ajuda a compensar as emissões feitas pela produção de concreto tradicional.

A produção deste concreto utiliza a parte interna do caule da planta, que é misturada com cal e água. No ponto de vista técnico, o material proporciona isolamento natural impermeável, isolante térmico e à prova de fogo, no entanto respirável e flexível. Além disso, por ser isento de toxinas, não é atacado pelo mofo nem por pragas.

A empresa francesa Art du Chanvre já construiu aproximadamente 45 casas utilizando o hempcrete. Se você quiser conhecer melhor o material utilizado e como são feitas as construções, assista o vídeo a seguir: